Você está aqui: Página Inicial > Acesso à Informação > Ações e Programas > Combate ao Contrabando e Descaminho > Notícias > 2020 > Setembro > 9ª Região Fiscal > Receita Federal participa da Operação Super Trunfo no Estado do Paraná
conteúdo

Notícias

Receita Federal participa da Operação Super Trunfo no Estado do Paraná

Paraná

A operação investiga a internalização ilegal no país de veículos de super-luxo e outros crimes.

A Receita Federal em conjunto com a Polícia Federal, desencadeou, na manhã de terça-feira, (8), a fase ostensiva da Operação Super Trunfo, na qual são investigados crimes de contrabando de veículos de luxo superesportivos, evasão de divisas, crimes fiscais e lavagem de dinheiro.

Foram cumpridos um mandado de prisão preventiva, dois mandados de prisão temporária e três mandados de busca e apreensão nas cidades de Maringá/PR e Cândido de Abreu/PR. Em Maringá, foram apreendidos no âmbito da operação dois carros estrangeiros superesportivos com placas do Paraguai e dois veículos de luxo estrangeiros com placas nacionais, além de documentos e objetos pessoais, principalmente jóias e relógios, avaliados preliminarmente em R$ 7 milhões. Além disso foi deferido judicialmente o bloqueio de veículos, bens imóveis e contas bancárias vinculadas aos investigados no montante de R$ 15 milhões.

Durante aproximadamente dois anos de investigações detectou-se que os investigados internaram ilegalmente no Brasil, automóveis superesportivos, alguns deles com indícios de fraude quando de sua exportação da Europa. Tais veículos, com grandes valores individuais que chegam a ultrapassar R$ 2 milhões, foram licenciados no Paraguai e eram mantidos e utilizados no Brasil com placas do país vizinho. Também se constatou a aquisição de outros automóveis de luxo adquiridos no Brasil e diversos bens imóveis pagos mediante operações ilegais de câmbio conhecidas como dólar-cabo ou euro-cabo, nas quais são realizadas transferências internacionais de valores mediante compensações, sem observância das normas do sistema financeiro nacional.

A ocultação do real proprietário dos bens, a dissimulação de sua origem ilícita e a conversão de valores ilegais em ativos lícitos, por sua vez, configuram atos de lavagem de dinheiro.

Os carros com placas do Paraguai serão levados da Delegacia da Polícia Federal para o Depósito da Receita Federal. Os outros dois veículos permanecem na sede da Polícia Federal.