Você está aqui: Página Inicial > Acesso à Informação > Ações e Programas > Combate ao Contrabando e Descaminho > Notícias > 2020 > Junho > 9ª Região Fiscal > Receita Federal apreende 25 toneladas de produtos contrafeitos no Porto de Itapoá
conteúdo

Notícias

Receita Federal apreende 25 toneladas de produtos contrafeitos no Porto de Itapoá

Santa Catarina

Dentre os produtos ilegais, que vieram da China, estão vestuários, calçados, pen drives, bonés, cintos e bolsas.
publicado: 08/06/2020 15h23, última modificação: 08/06/2020 15h27

As equipes de repressão e gerenciamento de risco da Receita Federal nos estados do Paraná e de Santa Catarina realizaram a apreensão de aproximadamente 25 toneladas de produtos contrafeitos no Porto de Itapoá/SC.

As mercadorias, provenientes da China, estavam em apenas um contêiner e foram declaradas pelo importador como sendo guarda-chuvas. Durante a fiscalização percebeu-se que apenas as primeiras fileiras de caixas eram do produto declarado, o que corresponde a aproximadamente uma tonelada. Com uma fiscalização mais aprofundada foi possível localizar os demais produtos ilegais.

A maioria dos produtos localizados é de vestuário, mas também foram encontrados calçados, pen drives, bonés, cintos, bolsas, óculos, relógios, entre outros. Ressalta-se que alguns dos produtos contrafeitos possuíam a inscrição "Fabricado no Brasil", o que evidencia e reforça o ilícito.

Os trabalhos de gerenciamento de risco e repressão aduaneira tiveram início nos últimos dias de maio e ainda estão em andamento por causa do tamanho e da diversidade de mercadorias da carga apreendida, culminando no auto de infração de apreensão das mercadorias aplicando a pena de perdimento. Como a carga foi apreendida antes do registro da Declaração de Importação, não houve valor declarado. Se os produtos fossem originais, a carga poderia ser estimada em mais de R$ 20 milhões. A carga de contrafeitos foi avaliada em R$ 2,6 milhões.

Neste período também, por se tratarem de produtos contrafeitos de marcas famosas, a Receita Federal entrou em contato com os representantes das marcas que já atestaram a falsificação por meio de laudos.

Link das fotos no Google Drive: