Você está aqui: Página Inicial > Acesso à Informação > Ações e Programas > Combate ao Contrabando e Descaminho > Notícias > 2017 > Fevereiro > 8ª Região Fiscal > Alfândega de São Paulo apreende emuladores do Arla 32 em remessas postais internacionais
conteúdo

Notícias

Alfândega de São Paulo apreende emuladores do Arla 32 em remessas postais internacionais

São Paulo

O uso desse tipo de dispositivo é considerado crime ambiental e crime contra as leis de trânsito.

No mês de janeiro, a equipe de fiscalização do Serviço de Remessas Postais Internacionais (Serpi) da Alfândega de São Paulo realizou a apreensão de aparelhos emuladores de Arla 32, em remessa postal oriunda da China.

O Arla 32 é um composto químico (aditivo) que é injetado no sistema de escapamento dos caminhões. Ele transforma os óxidos de nitrogênio em nitrogênio e água, que são inofensivos ao meio ambiente. Pode chegar a reduzir pela metade a poluição nas grandes cidades brasileiras. Esta apreensão reforçou a parceria da Receita Federal com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama).

O uso é obrigatório para todos os caminhões e carretas fabricados a partir de janeiro de 2012, conforme a Resolução 414, de setembro de 2009, do Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama). De acordo com essa norma, os veículos deverão ser equipados com um catalisador, aparelho conectado ao escapamento que reduz a poluição. O Arla 32, adicionado ao diesel, faz com que o sistema catalisador funcione.

Os aparelhos emuladores de Arla 32, apreendidos pelo Serpi, são utilizados para burlar as informações repassadas aos sensores do escapamento e do motor dos veículos, que identificam o composto quando, na realidade, continuam emitindo gás poluente na atmosfera.

Quando o reservatório de Arla 32 está vazio ou com o produto adulterado, a central eletrônica emite um sinal que causa falhas no sistema de pós-tratamento e perda de potência do motor. O emulador “ engana” esta central eletrônica do veículo.

Emulador Arla 32 é um nome "brasileiro" do equipamento. Eles são vendidos no mercado internacional com variações do nome AdBlue (AdBlue Blocker, Emulator Adblue).

O uso desse tipo de dispositivo é considerado como crime ambiental, além de ser crime contra as leis de trânsito, e a sua utilização pode acarretar a perda da garantia do veículo, além da multa aplicada, que poderá ser superior a R$ 50 mil.

Saiba mais

http://www.ibama.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=132:cartilha-orienta-uso-do-arla-32-para-controle-das-emissoes-de-poluentes&catid=58&Itemid=271

registrado em: