Você está aqui: Página Inicial > Orientação > Aduaneira > Importação e Exportação > Programa OEA > Informativo OEA > 2016 > Brasil e Uruguai assinam plano de trabalho para facilitar o comércio exterior

Notícias

Brasil e Uruguai assinam plano de trabalho para facilitar o comércio exterior

4/2/2016 - Plano de trabalho é o primeiro passo para assinatura do Acordo de Reconhecimento Mútuo dos Programas de OEA entre os dois países.
por publicado: 04/02/2016 18h38 última modificação: 04/02/2016 18h38

Foi assinado no dia 28 de janeiro, em um evento na sede da Inspetoria da Receita Federal em Santana do Livramento/RS, o plano de trabalho entre Brasil e Uruguai, que é o primeiro passo para se alcançar o Reconhecimento Mútuo dos Programas de Operador Econômico Autorizado (OEA) dos dois países.

Os Acordos de Reconhecimento Mútuo (ARM) são acordos bilaterais celebrados entre países que possuam Programas de OEA compatíveis, nos quais cada país reconhece como de baixo risco os operadores certificados no outro país. Para isto é necessário que os critérios de segurança física da carga e cumprimento da legislação tributária e aduaneira exigidos para a certificação e os procedimentos adotados para a validação e monitoramento destes operadores sejam similares.

O Diretor Nacional de Aduanas da República Oriental do Uruguai, Enrique Canon, destacou que os Acordos de Reconhecimento Mútuo são vantajosos para as aduanas dos dois países por que diminui o retrabalho dos fiscos e simplifica as operações internacionais, proporcionando agilidade aos operadores de baixo risco. Além disso, ressaltou a importância do Brasil como parceiro comercial do Uruguai.

O subsecretário substituto de Aduana e Relações Internacionais da Receita Federal, José Carlos de Araujo, enfatizou que os Programas de OEA são fundamentais para incrementar a gestão de risco nas operações aduaneiras e a adoção de padrões internacionais de segurança.

A intenção dos dois países ao assinarem o termo é de facilitar e incrementar a relação comercial existente entre o Brasil e o Uruguai. Para o Brasil, o objetivo é atrair novos investimentos à economia, aumentar a segurança das operações de comércio exterior e aprimorar os controles aduaneiros por meio da gestão de risco.

Plano de Trabalho 1

Da esquerda para direita: Diego Casella, coordenador do Programa Uruguaio de OEA; Enrique Canon, diretor Nacional de Aduanas; Adilson Valente, inspetor-chefe da IRF/Santana do Livramento; José Carlos de Araujo, subsecretário substituto da Suari; Luiz Fernando Lorenzi, superintendente-adjunto da 10ªRF e Elmo Braz Zenóbio Jr., representante da Coana.


Outros Compromissos Assumidos no âmbito do Programa Brasileiro de OEA

PlanoTrabalho2.jpgEm 18 de novembro de 2015, em Buenos Aires, Argentina, foi celebrada a assinatura do Plano de Trabalho Conjunto entre a Receita Federal e a Administração Federal de Ingressos Públicos (AFIP), da República Argentina, dando início ao processo de Reconhecimento Mútuo dos Programas de Operador Econômico Autorizado (OEA) do Brasil e de seu maior parceiro comercial na América do Sul.

PlanoTrabalho3.jpgJá em 29 de junho desse mesmo ano, o Secretário da Receita Federal do Brasil, Sr. Jorge Rachid, e o encarregado de negócios da embaixada americana, Sr. Andrew N. Bowen, também assinaram um Plano de Trabalho Conjunto para iniciar o processo em busca de um Acordo de Reconhecimento Mútuo (ARM) entre o Programa Brasileiro de OEA e o Programa C-TPAT dos EUA, país que é o segundo maior destino das exportações brasileiras.