Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Assessoria de Comunicação Institucional > 2018 > Novembro > Receita Federal apresenta resultados da Operação 'Boca de Lobo'

Notícias

Receita Federal apresenta resultados da Operação 'Boca de Lobo'

Operação

Coletiva de imprensa, no auditório da sede da Polícia Federal, para falar sobre a Operação 'Boca de Lobo'.
publicado: 30/11/2018 16h26 última modificação: 30/11/2018 16h31

A finalidade da operação é reprimir os crimes de lavagem de dinheiro, organização criminosa e corrupção ativa e passiva, cometidos pela alta cúpula da administração do Governo do Estado do Rio de Janeiro. A ação conta ainda com a participação do Ministério Público Federal (MPF) e Polícia Federal (PF).

Durante a entrevista, o auditor-fiscal da Receita Federal, Cleber Homem da Silva, informou que, no curso das investigações, foram identificados diversos métodos de lavagem de dinheiro, dentre eles: uso de vantagens indevidas para pagar reformas em residência dos investigados; pagamentos de propinas em espécie; pagamentos por prestações fictícias de serviço; utilização de corretoras de câmbio e de valores para pagar e receber os recursos ilícitos; e mesclagem dos valores recebidos ilicitamente com recursos lícitos da atividade empresarial.

“Na Calicute e na Eficiência (operações anteriores) foi comprovado que parte das vantagens indevidas era entregue a grandes empresas, para que estas depositassem tais recursos em suas contas e transferissem, à título de pagamento de prestações de serviço (que nunca existiram), para empresas dos investigados. Estes, finalmente, recebiam os valores sob a forma de lucros e dividendos, fechando o ciclo da lavagem de dinheiro”, explicou Cleber.

Ele afirmou ainda que, de todos os mecanismos citados, o único em que o ciclo de lavagem foi concluído, realizando sua última etapa, conhecida didaticamente como 'integração', foi no caso de pagamentos de prestações fictícias de serviços. Ou seja, somente neste caso é que os recursos recebidos indevidamente surgem para seus destinatários com uma aparência lícita. “Nos demais casos, apesar de farto material probante a respeito do recebimento das vantagens indevidas, tais valores ainda permanecem ocultos. Com isso, há necessidade de se aprofundar as investigação com o objetivo de localizá-los” finalizou o auditor.

Houve também a participação de auditores-fiscais e de analistas-tributários da Receita Federal no cumprimento de mandados de busca e apreensão.

A Receita Federal vem participando das investigações, em conjunto com o Ministério Público Federal e a Polícia Federal, desde antes de sua deflagração ostensiva, por meio de cruzamentos e análise de dados internos realizados pela área de inteligência.

registrado em: