Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Assessoria de Comunicação Institucional > 2016 > Maio > Operação Muralha inicia na região oeste

Notícias

Operação Muralha inicia na região oeste

Aduana

Na região oeste do Paraná, foi montada uma barreira de fiscalização na praça de pedágio de São Miguel do Iguaçu/PR por período indeterminado
publicado: 02/05/2016 18h40 última modificação: 26/08/2016 14h03

Foi deflagrada no dia 2 de maio, a Operação Muralha da Receita Federal em parceria com Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Exército, Marinha, Polícia Militar do Paraná e Polícia Civil.

Esta ação visa prevenir e combater os crimes de contrabando e descaminho, tráfico de drogas, armas, munições, medicamentos e outros crimes praticados, em especial com enfoque em produtos que ingressam ao Brasil vindos do Paraguai.

O principal ponto de atuação será uma barreira fixa de fiscalização montada na praça de pedágio em São Miguel do Iguaçu/PR. Além disso, haverá presença de equipes volantes em estradas secundárias da região, nas margens do Rio Paraná e do Lago de Itaipu. Estarão envolvidos com as atividades o total de 200 servidores.

Na praça de pedágio foi instalada uma infraestrutura para abrigar os servidores, com uma tenda, um ‘motor home’ e banheiro químico, que proporcionarão uma estrutura mínima para as equipes. A atuação se dará de forma permanente e ininterrupta (24 horas por dia), com objetivo de verificação dos veículos que passarem pelo local no sentido Foz do Iguaçu/PR – Cascavel/PR.

Na manhã desta segunda-feira (2/5), foi realizado atendimento à imprensa no local em que está montada a barreira fixa onde estiveram presentes os representantes dos órgãos envolvidos. O objetivo deste tipo de operação é combater o contrabando, o descaminho e outros crimes fronteiriços de forma a proteger os interesses do País e evitar a circulação de produtos nocivos que causam danos à saúde das pessoas. Segundo o delegado da Receita Federal em Foz do Iguaçu, Rafael Rodrigues Dolzan, “o objetivo maior não é apreender, mas evitar que este tipo de produto entre no país”.