Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Assessoria de Comunicação Institucional > 2006 > Maio > Receita destrói 1.100 t de mercadorias contrabandeadas

Notícias

Receita destrói 1.100 t de mercadorias contrabandeadas

Mutirão de Destruição

Destruição de cigarros e máquinas caça-níqueis, além de bolsas, roupas e calçados piratas é a maior da história
publicado: 31/05/2006 00h00 última modificação: 27/01/2015 12h57

A Receita Federal deu início nesta quarta-feira, em Mauá (SP), à destruição de 1.110 toneladas de mercadorias, apreendidas no ano passado quando entravam no Brasil de forma irregular. Essa quantidade de produtos contrabandeados e pirateados é suficiente para lotar 55 carretas.

A destruição, que é considerada a maior da história, deve ser concluída neste final de semana. Entre os bens estão 330 toneladas de cigarros, 210 t de máquinas caça-níqueis, além de 115 t de bolsas, óculos, roupas e calçados piratas. A estimativa é que o valor dessas mercadorias totalize mais de R$ 20 milhões. Com essas apreensões, a Receita evitou prejuízos de R$ 5 milhões somente aos cofres federais.

De acordo com dados divulgados hoje pelo secretário da Receita Federal, Jorge Rachid, que participou do ato que deu início à destruição das mercadorias, cerca de 60% dessas apreensões foram feitas no Estado de São Paulo e os 40% restantes nos demais Estados, com destaque para o Porto de Santos e Ponte da Amizade, em Foz do Iguaçu, na fronteira com o Paraguai.

De acordo com o secretário Jorge Rachid, as ações de combate ao contrabando e à pirataria têm sido ampliadas nos últimos anos, resultando em volume recorde de apreensões de mercadorias irregulares. Em 2004, foram apreendidos R$ 462 milhões, contra R$ 600 milhões em 2005. De janeiro a maio deste ano o volume apreendido já soma R$ 200 milhões.

Rachid disse que a pirataria gera desemprego e ilegalidade, causando prejuízos à economia e à saúde da população. Questionado por que a Receita, ao invés de destruir, não faz a doação de mercadorias a entidades beneficentes, como calçados, roupas, bolsas e brinquedos, o secretário explicou que isso só seria possível com autorização das marcas e também se ficar comprovado por meio de laudos que seu uso não cause dano à saúde das pessoas.

O secretário destacou o apoio que a Receita Federal tem recebido da Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e das polícias Militar e Civil nos Estados para realizar suas operações. "Temos nos esforçado bastante para evitar que tais crimes prosperem em nosso país, tarefa cumprida com a colaboração de vários órgãos federais e estaduais", observou.